Comentários sobre o Oscar 2012

A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, assim como todos já esperavam, premiou O Artista como o Melhor Filme de 2011, esse foi um passo importante dado pela Academia visto que é a primeira vez que um filme de língua não-inglesa leva o prêmio, e a primeira vez que um filme mudo ganha na categoria principal desde “Asas” em 1929.

Como eu já tinha dito esse ano os velhinhos da academia decidiram premiar filmes que foram verdadeiras homenagens ao cinema, a criação do cinema e a forma de se fazer cinema, então não é surpresa que O Artista A Invenção de Hugo Cabret, tenham se consagrado como os maiores vencedores da noite com 5 estatueta cada.

Quanto ao show da entrega pontos forte e fracos balancearam a premiação o Billy Cristal soube dosar as suas piadas e ao final da premiação passou a impressão de ter sido apenas OK como Host. Não gostei muito da agilidade como as categorias técnicas foram apresentadas, diminuíram o tempo dessas categorias (e até retiraram a apresentação das canções indicadas), para aproveitar o tempo passando clipes com depoimento de Adam Sandler, Seth Rogen, Ben Stiller, Tom Cruise e etc…

Quanto as surpresas da noite, algumas agradáveis, outras detestáveis. A Invenção de Hugo Cabret ter levado em fotografia foi uma delas, mesmo amando o filme, Hugo não era nem a segunda melhor fotografia indicada, tirando a única chance de A Árvore da Vida levar um Oscar. Já o premio de Melhor Montagem entregue a Millennium – Os Homens que não Amavam as Mulheres me fez feliz, ficou visível que os vencedores foram pegos de surpresa pois não tinham nenhum discurso preparado (lembrando que foram os mesmos vencedores da categoria ano passado por A Rede Social, também do David Fincher. Em documentário prevaleceu o força The Weinstein Co. com Undefeated, tirando o premio dos favoritos Pina ou Paradise Lost 3. Agora para mim a mais decepcionante foi a vitória de A Invenção de Hugo Cabret em Melhores Efeitos Visuais, tinham pelo menos 3 filmes com efeitos melhores na categoria, mas via saber o que se passa na cabeça dos velhinhos da academia né?

Quanto as minhas apostas, por conta das vitórias inesperadas de A Invenção de Hugo Cabret, além das categorias de curta-metragem que são difíceis de prever, acertei 15 das 24 categorias apostadas, teno um percentual de aproveitamento de 62,5% de acerto. Abaixo a lista de vencedores por ordem da apresentação. Aqui a lista de Indicados e vencedores de todas as categorias (os indicados estão em ordem de preferência).

Fotografia – A Invenção de Hugo Cabret
Direção de Arte – A Invenção de Hugo Cabret
Figurino – O Artista
Maquiagem – A Dama de Ferro
Filme Estrangeiro – A Separação – Irã
Melhor Atriz Coadjuvante – Octavia Spencer – Histórias Cruzadas
Montagem – Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres
Edição de Som – A Invenção de Hugo Cabret
Mixagem de Som – A Invenção de Hugo Cabret
Melhor Documentário – Undefeated
Melhor Animação – Rango
Melhores Efeitos Visuais – A Invenção de Hugo Cabret
Melhor Ator Coadjuvante – Christopher Plummer – Toda Forma de Amor
Melhor Trilha Sonora – O Artista
Melhor Canção Original – Man or Muppet – The Muppets
Melhor Roteiro Adaptado – Os Descendentes
Melhor Roteiro Original – Woody Allen – Meia Noite em Paris
Melhor Curta-Metragem – The Shore
Melhor Curta Documental – Saving Face
Melhor Curta de Animação – The Fantastic Flying Books of Mr. Morris Lessmore
Melhor Direção – Michel Hazanavicius – O Artista
Melhor Ator – Jean Dujardin – O Artista
Melhor Atriz – Meryl Streep – A Dama de Ferro
Melhor Filme – O Artista

4 Comentários

Arquivado em Críticas Filmes

Expectativas para o Oscar 2012

Neste domingo (26), depois do que pareceu ser um eternidade, finalmente teremos a maior festa do cinema os 84th Academy Awards. O Prêmio entregue pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas será apresentado por Billy Cristal na sua 9ª vez como Host.

A expectativa é que essa cerimônia quebre muitos tabus ainda existentes, essa pode ser a primeira vez que duas negras ganhem o prêmio de Melhor Atriz e Atriz Coadjuvante no mesmo ano, podemos ter o primeiro filme mudo a ganhar na categoria principal desde “Asas” em 1929, também pode ser a primeira vez que um filme francês leve Melhor Filme. Veja todos os indicados clicando aqui. Vamos as nossas análises e apostas:

MELHOR FILME

Uma categoria que tentou representar todos os gostos mas acabou trazendo filme fracos como indicados, porém vamos comemorar o que há de melhor pois também temos pequenas obras-de-arte esse ano O Artista A Invenção de Hugo Cabret são dois deles, longas bonitos e sinceros que são verdadeiras  homenagem ao forma de fazer cinema, cada um a seu meio um em P&B o outro em 3D.

Vence: O Artista
Pode Levar: A Invenção de Hugo Cabret
Torcida: Dos 2 acima o que levar me deixará muito feliz

MELHOR DIRETOR

Para a categoria de diretor já foi um ótimo ano, minha felicidade foi enorme ao ver o nome do Malick na lista, e de ver grande nomes com Allen, Scorsese e Payne sendo indicados de novo, porém mais uma vez um diretor desconhecido chega com mais força na categoria, principalmente depois de ter levado o DGA.

Vence: Michel Hazanavicius – O Artista
Pode Levar: Martin Scorsese – A Invenção de Hugo Cabret
Torcida: Martin Scorsese – A Invenção de Hugo Cabret

MELHOR ATOR

Uma categoria que trouxe surpresas boas e nem tão boas assim, Gary Oldman já merecia uma indicação a tempos e fiquei feliz por ter recebido por um filme em que ele está excelente, já a indicação pra o Demián Bichir não consigo concordar, não que ele esteja ruim no filme, longe disso, só que em ano com atuações de alto nível de Ryan Gosling, Michael Fassbender, Michael Shannon e Tom Hardy, é meio difícil engolir essa indicação. Aos demais todos muito bem Dujardin em sua interpretação muda, Clooney mais humano que nunca e Pitt cada vez melhor.

Vence: Jean Dujardin – O Artista
Pode Levar: George Clooney – Os Descendentes
Torcida: Jean Dujardin – O Artista

MELHOR ATRIZ

A grande categoria da noite, se brincar é até mais importante que Melhor Filme, nesta categoria não pude conferir os trabalhos de Glenn Close Michelle Williams, mesmo assim preciso manifestar meu protesto pela não indicação da Tilda Swinton. Dentre as que assisti todas estão excepcionais principalmente Rooney Mara e seu olhar fatal, mas a disputa é mesmo entre a Davis e a Streep duas atrizes que amo de paixão.

Vence: Viola Davis – Histórias Cruzadas
Pode Levar: Meryl Streep – A Dama de Ferro
Torcida: Tilda Swinton, das 2 acima a que vencer me deixar feliz

MELHOR ATOR COADJUVANTE

Essa ficou conhecida como a categoria dos experientes, para ficar completa só faltou tirar o Jonah Hill que está apenas ok e colocar em seu lugar o Sir Ben Kingsley por Hugo. Ainda me falta conferir a atuação do Kenneth Branagh Max von Sydow, mas aqui não tem para onde correr vai dar Plummer pelo conjunto de sua obra.

Vence: Christopher Plummer – Toda Forma de Amor
Pode Levar: Max von Sydow, no que seria a maior surpresa da noite
Torcida: Nick Nolte – Guerreiro (filme esse que merecia mais indicações)

 MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

Assim como muitos também acho que a Jessica Chastain teria muito mais chance (e merecia o prêmio) se fosse indicada por A Árvore da Vida ou O Abrigo, coisas do Oscar, assim como ainda não consigo ver o por que da indicação da Melissa McCarthy (mas sou suspeito, detesto o filme), entre o elenco de Histórias Cruzadas acho que a que menos merece menção é Octavia Spencer (Dallas Howard merecia muito mais), e a Bejo para mim está na categoria errada (ela é principal) ou seja deu pra ver que detestei a categoria né?

Vence: Octavia Spencer – Histórias Cruzadas
Pode Levar: Berenice Bejo – O Artista (rezo toda noite por esse milagre)
Torcida:  Berenice Bejo – O Artista

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL

Uma categoria que me fez muito feliz com as surpresas, tirando Missão: Madrinha de Casamento é claro, gosto bastante de Margin Call A Separação que mereceram a indicação mas que devem se contentar com isso mesmo, Woody Allen volta a ser indicado nesta categoria  depois de 6 anos, o roteiro de O Artista é o único que tem força para tirar o prêmio do Allen, mas isso não deve acontecer pois o filme sofre um preconceito por ser mudo (sem diálogos falados), e por isso dizem que não deve ter o seu roteio premiado.

Vence: Meia-Noite em Paris
Pode Levar: O Artista
Torcida: Meia-Noite em Paris

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO

Quando falamos de conflitos e famílias e diálogos afiados Alexander Payne é mestre, porém o roteiro de Os Descendentes apesar de ser um primor nessa parte morre aí, sofre por não arriscar ir além, apesar de muitos apontarem que seu grande concorrente é O Homem que Mudou o Jogo, eu enxergo muito mais a possibilidade de A Invenção de Hugo Cabret acabar roubando, com méritos, o Oscar do Payne, pena é que os dois melhores roteiro entre os indicados (Tudo Pelo Poder O Espião Que Sabia Demais) são os que tem menos chance delevar.

Vence: Os Descendentes
Pode Levar: A Invenção de Hugo Cabret
Torcida: tirando Os Descendentes e O Homem que Mudou o Jogo o que levar estou feliz 

MELHOR ANIMAÇÃO

Aqui tivemos uma grande surpresa quando anunciaram os indicados, As Aventuras de Tintim Operação Presente que eram esperados acabaram ficando de fora e facilitando a vida de Rango, animação da qual não simpatizo muito, dos outros indicados duas animações estrangeiras que não assisti e duas animações meia boca da Dreamworks (que falta fez Como Treinar Seu Dragão esse ano).

Vence: Rango
Pode Levar:  Rango
Torcida: Nenhum

MELHOR MONTAGEM

Essa foi uma boa categoria, tirando Os Descendentes, gostei de todos os indicados, O Artista com uma montagem mais clássica, Hugo mesclando em momentos o frenético em momentos o tranquilo são as minhas favoritas.

Vence: O Artista
Pode Levar: A Invenção de Hugo Cabret
Torcida: O Artista

 MELHOR DIREÇÃO DE ARTE

Na parte das categorias técnicas as indicações foram todas muito boas, na medida do esperado, nesta categoria os 5 indicados merecem estar aqui, todos os gostam estão representados desde as mais grandiosas como Harry Potter ou A Invenção de Hugo Cabret, como as mais detalhistas de Meia-Noite em Paris O Artista, normalmente a academia gosta de premiar aquelas que se destacam mais, mais berrantes.

Vence: A Invenção de Hugo Cabret
Pode Levar: O Artista
Torcida: A Invenção de Hugo Cabret

MELHOR FOTOGRAFIA

Outra categoria muito bem representada e aqui temos duas fotografias simplesmente sensacionais A Árvore da Vida Cavalo de Guerra apresentam um trabalho de encher o olho de qualquer um, a fotografia em P&B de O Artista também chama muita atenção.

Vence: A Árvore da Vida
Pode Levar: Cavalo de Guerra
Torcida:  A Árvore da Vida

MELHORES EFEITOS VISUAIS

Mais uma ótima categoria, aqui temos cenas incríveis como a do dragão no Gringots em Harry Potter, ou a do prédio em Transformers, ou a Paris toda construída em computador em Hugo, mas nenhuma delas chegam as pés do primata computadorizados mais bem feito da história do cinema, macacos que conseguem expressar emoções.

Vence: Planeta dos Macacos: A Origem
Pode Levar: A Invenção de Hugo Cabret ou Harry Potter 7.2
Torcida:  Planeta dos Macacos: A Origem

MELHOR FIGURINO

Essa é outra categoria que está um pouco difícil de se prever, a academia gosta de premiar filme que apresentam figurino mais pomposos principalmente os que retratam reis e rainhas, nesse aspecto Jane Eyre e Anônimo largam na frente, porém O Artista pode se beneficiar sendo o queridinho da noite e levar o premio, a disputa ficou ainda mais acirrada quando W.E. – O Romance do Século levou o prêmio do sindicato dos figurinistas.

Vence: Jane Eyre
Pode Levar: O Artista
Torcida: Jane Eyre

 MELHOR MAQUIAGEM

Categoria com apenas 3 indicados, dois deles apresentam trabalhos mais singelos em cima de suas protagonistas Albert Nobbs A Dama de Ferro, Harry Potter traz um trabalho que chama mais atenção aplicado por todo o elenco, o tipo de trabalho que a academia costuma premiar.

Vence: Harry Potter e as Relíquias da Morte parte 2
Pode Levar: A Dama de Ferro
Torcida: Harry Potter e as Relíquias da Morte parte 2

MELHOR TRILHA SONORA 

Aqui temos trabalhos memoráveis porém também tivemos grande trilhas do ano que foram friamente ignoradas, a falta mais sentida foi a da trilha sonora de Millennium – Os Homens Que Não Amavam as Mulheres, talvez por seus compositores terem sidos premiados ano passado, dentre os indicados o grande favorito é O Artista, poderia correr o risco de perder para o John Williams, mas como esse foi indicado por 2 trilhas os seus votos devem ficar divididos abrindo espaço para a trilha do Ludovic Bource.

Vence: O Artista
Pode Levar: uma das trilhas de John Williams
Torcida: O Artista

 CATEGORIAS SONORAS

As categorias sonoras normalmente premias os mesmos filmes tanto em Mixagem quando em Edição de Som e esse ano não acho que seja diferente. Dos 5 indicados, 4 se repetem em ambas as categorias e aqui a parte de efeitos de A Invenção de Hugo Cabret deve se dar bem junto com as categorias técnicas. As apostas abaixo são para ambas as categorias.

Vence: A Invenção de Hugo Cabret
Pode Levar: Cavalo de Guerra
Torcida: A Invenção de Hugo Cabret

DEMAIS CATEGORIAS

Filme Estrangeiro: A Separação
Documentário: Paradise Lost 3
Documentário Curta:  The Tsunami and the Cherry Blossom
Canção Original:  Man or Muppet
Curta Metragem: Tuba Atlantic
Curta de Animação:  The Fantastic Flying Books of Mr. Morris Lessmore

A festa será transmitida pela TNT a partir das 21h30 com o pré-show as 20h30, e pela Rede Globo, com todo o desrespeito possível com os cinéfilos e fãs, a partir da 00h00 após o BBB. Lembrando que faremos a cobertura completa com comentários dos vencedores pelo Twitter.

Deixe um comentário

Arquivado em Oscar 2012, Premiações

Os Descendentes (2011)

Normalmente os indicados ao Oscar de Melhor Filme seguem um padrão, sempre estão presentes os dramalhões, um representante oriundo da The Weinstein Company, um representante Britânico, e aquele que se destaca no cinema independente e essa vaga coube a Os Descendentes esse ano.

O longa retrata a vida de Matt King (George Clooney), descendente da realeza havaiana, que, após um acidente de barco que sua esposa sofreu entrando em coma, teve de tomar conta das suas filhas. Quando é informado pelos médicos que sua mulher irá morrer em breve Matt se ver numa situação difícil tendo que contar a notícia para toda a família, e essa situação só piora, pois Matt também descobre que sua esposa estava lhe traindo e pretendia pedir a separação.

Como é de praxe em todos os filmes do Alexander Payne, os diálogos do roteiro são de ponta principalmente os reflexivos do próprio Matt King, porém também acho que o maior defeito do filme vem justamente de seu roteiro, por não tentar arriscar ir mais além, falha da direção do Payne. O roteiro peca quanto aos seus personagens visto que o único que tem a possibilidade de se desenvolver é o personagem do Clooney, o que lhe dá abertura para a melhor atuação de sua carreira, o elenco escalado também deixa a desejar principalmente o amigo chatinho da filha mais velha de Matt.

E acredito que o longa tenha sido escalado com o gênero errado, por que apesar de toda a carga dramática do filme o considero muito mais um comédia do que um drama. A sensação que ficou ao seu final foi de acabado de assistir o fim de temporada de uma série de dramédia americana.

Nota: 7,0

Título Original: The Descendants
Diretor: Alexander Payne
Elenco: George Clooney, Shailene Woodley,  Amara Miller, Nick Krause, Patricia Hastie, Robert Forsten, Matthew Reese e Judy Greer.

6 Comentários

Arquivado em Críticas Filmes, Oscar 2012

O Artista (2011)

Um sorriso no rosto e um sentimento de bem estar e felicidade que parece que não irá acabar nunca, esse é o sentimento que te acomete quando a tela escurece encerrando o melhor filme de 2011, O Artista. Não só pelo fato de ser um filme mudo em preto e branco em pleno século 21, mas por ser uma aula de como se fazer comédia sem apelar para o sexual ou ridículo para poder conquistar o público.

O argumento utilizado aqui é simples, George Valentin (Jean Dujardin) é uma estrela do cinema mudo que se deparo com o dilema: se adaptar ao cinema falado ou se tornar obsoleto. À medida que Peppy Miller (Bérénice Bejo), uma dançarina por quem Valentin se sente atraído, é cada vez mais requisitada por sua facilidade ao se adaptar vai tomando o espaço de George como a maior estrela de Hollywood.

Durante o longa o sentimento de nostalgia é notório, é impossível não se lembrar de gênios do cinema mudo do século 20 como Charlie Chaplin, Buster Keaton ou Harold Lloyd. Como era de se esperar para um filme de época, toda a sua parte técnica (Figurino e Direção de Arte é primorosa que com a ajuda da fotografia em P&B só intensificam a sensação de antiguidade. Por se tratar de um filme mudo a trilha sonora é de essencial importância e corresponde maravilhosamente bem sendo um dos pontos mais fortes do longa. A montagem é clássica, trazendo aquelas conhecidas telas pretas com textos para expressar os diálogos. Dujardin, Bejo e o cachorrinho Uggie estão sensacionais, os dois primeiros mereceram muito a indicação e até mesmo a vitória (ainda ma falta conferir a Janet McTeer como coadjuvante), o elenco de apoio está apenas OK.

E claro não podíamos deixar de citar o visionário por traz disso tudo, o desconhecido porém experiente diretor e roteirista Michel Hazanavicius, que merece todas as honras e prêmios que vem recebendo. Espero que a Academia honre o filme com o maior prêmio da noite do Oscar, pois será a primeira vez desde O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei, que concordarei com o vencedor de Melhor Filme do ano.

Nota: 10,0

Título Original: The Artist
Diretor: Michel Hazanavicius
Elenco: Jean Dujardin, Bérénice Bejo, Uggie, John Goodman, James Cromwell, Missi Pyle, Penelope Ann Miller.

3 Comentários

Arquivado em Críticas Filmes, Oscar 2012

Histórias Cruzadas (2011)

Muitos filmes já narraram os acontecimentos preconceituosos sofrido pelos negro do Mississippi dos anos 60, o mais notório foi Mississippi em Chamas. Histórias Cruzadas segue o mesmo princípio porém abordado de uma forma diferente, aqui o sofrimento abordado aqui são das empregadas negras que tomavam conta das filhas de suas patroas brancas.

O filme conta a história de Eugenia Skeeter (Emma Stone) e Aibileen Clark (Viola Davis). Skeeter é uma garota da sociedade que retorna determinada a se tornar escritora. Aibileen é um doméstica negra que a cada dia que passa sente-se mais injustiçada pela forma como as “pessoas de cor” são tratadas pela sociedade. Skeeter resolve escrever um livro sobre os sentimentos e histórias das mulheres negras que deixam seus filhos para tomar conta dos filhos das mulheres brancas, quando ela conhece Aibileen, empregada de sua melhor amiga, elas começam a escrever as suas histórias e as poucos procuram por outras negras que estejam dispostas a contar suas histórias. Daí o título do filme.

O longa tem a fórmula correta do Oscar, talvez esse seja seu maior problema, Tate Taylor não tentar se arriscar a ir mais além, ele só quer contar a história daquelas mulheres negras sem levantar nenhuma polemica fazendo o típico filme “Feel Good”. A parte técnica do filme é muito boa recriando toda uma cidade dos anos 60 desde as casas até as os detalhes mais simplistas.

Porém a grande força do filme habita em seu elenco, os destaque ficam mesmo para a Viola Davis, Emma Stone e a mais injustiçada pelas premiações a Bryce Dallas Howard que está bem melhor que a Jessica Chastain e a Octavia Spencer (ambas lembradas pelo Oscar).

Diferente do que muitos blogueiros estão dizendo, não considero a Davis coadjuvante no filme, pelo contrário ela é co-protagonista junto com a Stone, visto que tem todo um arco dramático tendo em vista o seu sofrimento pela perda do filho e a relação que ela tem com a filha de sua empregadora, sendo a sua despedida a cena mais forte e tocante do filme, além do que é a própria Davis que narra toda a história que chaga ao ápice na cena final que a Aibileen sai caminhando.

Nota: 7,5

Título Original: The Help
Diretor: Tate Taylor
Elenco: Viola Davis, Emma Stone, Bryce Dallas Howard, Jessica Chastain, Octavia Spencer,  Sissy Spacek, Cicely Tyson, Ahna O’Reilly e Mike Vogel

7 Comentários

Arquivado em Críticas Filmes, Oscar 2012

Os Indicados ao Blog de Ouro 2012

Ontem a noite às 20hs (horário de Brasília) foi divulgado os indicados ao Blog de Ouro 2012, uma premiação organizada pela Sociedade Brasileira de Blogueiros Cinéfilos que indica os melhores filmes que estrearam aqui no Brasil durante 2011 em 21 categorias. Dentre os filmes com maior número de indicações então Cisne Negro (12 indicações), A Árvore da Vida (8 indicações) e Meia-Noite em Paris (7  indicações), completam os indicados a Melhor Filme Melancolia e A Pele Que Habito.

Dentre as faltas mais sentidas estão Michelle Williams (Atriz) e Jeff Bridges (Ator), a maior surpresa ficou com a indicação de Michael Fassbender na categoria de Melhor Ator por X-Men: Primeira Classe.

Os Vencedores serão anunciados na página oficial da Sociedade aqui, no dia 25 de Fevereiro a partir das 21h (Horário de Brasília). Confira todos os indicados clicando aqui.

Deixe um comentário

Arquivado em Premiações

Comentando o 18th SAG Awards

Ano após ano nós, apaixonados pelo Oscar nos lastimamos pela previsibilidade da premiação. Na noite do Oscar, as categorias principais estão quase sempre com seu vencedores assegurados. Finalmente chegou o ano por que todos esperávamos, após a entrega do 18th Screen Actor Guild Awards ontem a noite, a sensação que ficou foi a de imprevisibilidade nas categorias de atuação principal.

Todos aqueles que já davam como ganho o segundo Oscar da carreira do George Clooney tiveram uma grande surpresa ao ouvir o nome de Jean Dujardin ser anunciado como o vencedor da categoria. Agora o jogo está empata do em 2 a 2. O Clooney ganhou o Globo de Ouro e o Critics Choice e o Dujardin também tem um Globo de Ouro e o SAG (A mais importante dessa categoria). Será que o favorito para o Oscar agora é o Jean Dujardin? A academia não costuma premiar “Desconhecidos” em sua primeira indicação ao premio de atuação principal.

Na categoria de Melhor Atriz mais uma incerteza para o Oscar, todos do Team Meryl viram as chaces da atriz passar mais um ano sem ganhar seu terceiro Oscar aumentar consideravelmente, e preciso dizer o discurso da Viola Davis foi mais uma vez lindo, o melhor da noite e emocionou a todos os presentes. No placar geral a Viola toma a dianteira com o prêmio mais importante e ainda o Critics Choise, a Maryl Streep tem um Globo de Ouro assim com a Michelle Williams.

As categorias coadjuvantes continuam previsíveis e o Oscar parece já estar nas mãos de Christopher Plummer e Octavia Spencer. Na categoria de elenco (considerado equivalente a categoria de Melhor Filme) a vitória foi de Histórias Cruzadas, mas isso não deve influenciar no favoritismo de O Artista na categoria principal ao Oscar, que ganhou mais uma força ao levar o prêmio do DGA na noite do sábado para o Michel Hazanavicius, e que também deve levar o Oscar.

Das minhas apostas uma curiosidade errei todas as categorias de Melhor Ator, no total foram 5 categorias: Melhor Ator, Melhor Ator em Telefilme ou Minisserie, Melhor Ator em Série Dramática, Melhor Ator em Série Cômica, e Melhor Atriz em Série Cômica.

Abaixo a lista com todos os vencedores da noite:

Outstanding Performance by a Male Actor in a Leading Role
Jean Dujardin – O Artista 

Outstanding Performance by a Female Actor in a Leading Role
Viola Davis – Histórias Cruzadas

Outstanding Performance by a Male Actor in a Supporting Role
Christopher Plummer – Toda Forma de Amor

Outstanding Performance by a Female Actor in a Supporting Role
Octavia Spencer – Histórias Cruzadas

Outstanding Performance by a Cast in a Motion Picture
Historias Cruzadas – Jessica Chastain, Viola Davis, Bryce Dallas Howard, Allison Janney, Chris Lowell, Ahna O’Reilly, Sissy Spacek, Octavia Spencer, Mary Steenburgen, Emma Stone, Cicely Tyson, Mike Vogel

Outstanding Performance by a Male Actor in a Television Movie or Miniseries
Paul Giamatti – Too Big to Fail

Outstanding Performance by a Female Actor in a Television Movie or Miniseries
Kate Winslet – Mildred Pierce

Outstanding Performance by a Male Actor in a Drama Series
Steve Buscemi – Boardwalk Empire

Outstanding Performance by a Female Actor in a Drama Series
Jessica Lange – American Horror Story

Outstanding Performance by a Male Actor in a Comedy Series
Alec Baldwin – 30 Rock

Outstanding Performance by a Famale Actor in a Comedy Series
Betty White – Hot in Cleveland

Outstanding Performance by an Ensemble in a Drama Series
Boardwalk Empire

Outstanding Performance by an Ensemble in a Comedy Series
Modern Family 

Deixe um comentário

Arquivado em Premiações